20 de ago de 2008

O Prazer Do Vazio

Folhas em branco causam sempre o mesmo efeito em mim.

Aquele velho e familiar sentimento de infinitas possibilidades. Como se fosse a chance de começar algo do zero, um recomeço.

Em sua frente não tenho passado, não tenho futuro. Tudo que tenho é aquele momento. Aquela chance de criar. Criar personagens, criar histórias, contar mentiras, contar verdades.

Com ela ao meu lado posso trocar uma idéia com Raskolnikov, posso paquerar com, ai ai, Audrey Hepburn, posso fazer um dueto com Johnny Cash.

Na sua imensidão pálida dou um mergulho no parque de diversões que costuma ser minha cabeça.

Posso colocar pra fora os meus sentimentos, angústias.

Posso ser criativo. Posso ser brega.

Você deve estar pensando: "Mas que exagero. Não passa de uma folha em branco!"
Então pergunto: quem nunca teve vontade de ter outra chance?

Na frente da minha amiga vazia sou quem quiser ser.

E não precisa ser uma folha especial, não. Pode ser uma dessas comuns, do Word mesmo.
Afinal de contas, nada se compara com a oportunidade de um restart.

Sou mesmo um privilegiado por toda manhã ter um encontro com uma folha em branco.




Um comentário:

Mavete disse...

Eu me lembro desse...
Bom...
Bjs